Evitrinne Amor à Saúde: Dezembro 2014

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Dicas saudáveis para o seu Natal

O Natal é a celebração do ano em que mais se exagera na alimentação. Infelizmente, é também nesta época que muitas pessoas sofrem problemas sérios de saúde devido aos excessos.

Não é por ser Natal que devemos descuidar a alimentação. Podemos celebrar sem prejudicar a nossa saúde.

Existem pequenos cuidados que fazem toda a diferença:





Artigos Relacionados:


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Depressão pós-parto

É bastante comum as mulheres terem depressão durante a gestação ou depois do parto. 

Causa:

Isto é comum em mulheres com deficiência de Ómega 3 no organismo. Isto porque, o bebé necessita de Ómega 3 para a formação do cérebro, e se a mãe não tiver doses suficientes vai ficar com deficiência de Ómega 3 no seu organismo, causando assim depressão. 

Lembre o seu médico da sua necessidade de Ómega 3. Se decidir tomar suplementos, verifique que as cápsulas são de qualidade. 

Como verificar a qualidade do Ómega 3?

O Ómega 3 é uma gordura que não deixa os peixes congelarem, por isso, uma das técnicas é colocar uma cápsula no congelador durante 5 horas e depois espetar com um palito. Se o palito entrar, o Ómega 3 é de qualidade, mas se o palito não espetar é porque o Ómega 3 congelou e, dessa forma, já não serve porque já sofreu oxidação. (Dr. Lair Ribeiro)

Em alguns casos poderá revelar-se deficiência de progesterona (bioidêntica). Nesse caso, teria de ser fornecida por especialistas da área, uma vez que a medicina convencional não o faz.

Veja mais sugestões para a sua gravidez neste vídeo aos 19 minutos.

Artigos Relacionados:

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Como verificar o açúcar nos rótulos?

Uma alimentação saudável requer o consumo de alimentos naturais. Quanto mais natural o alimento for melhor e, como se costuma dizer: Quanto mais longa a vida de um produto, mais curta é a sua. 

Ainda assim, muitas pessoas não conseguem fugir a um ou outro produto embalado. Assim sendo é benéfico saber ler um rótulo. Normalmente, quanto mais garantias prometem na embalagem, menos saudável é o produto. 

O principal jogo que utilizam é o do açúcar vs gordura. As gorduras usadas nos alimentos são praticamente todas más uma vez que usam gorduras trans na preparação dos alimentos, mesmo em alimentos que dizem ser preparados em azeite. Já verifiquei rótulos com esta designação, e realmente a gordura usada não é azeite, apenas tem uma pequena percentagem de azeite: 25% a 35%. Parece que a lei permite que esta percentagem se intitule de azeite. 

Falta-nos verificar o açúcar, e este é o que mais preocupa, uma vez que vem, muitas vezes camuflado por outras designações. 

Então, em vez de confiarmos na publicidade, devemos verificar os rótulos: 



Mais dois conselhos: 
  • Quanto maior a lista de ingredientes de um determinado alimento, menos saudável ele é. Um alimento saudável não tem mais do que 1 a 2 ingredientes, e nenhum deles é o açúcar. 
  • Todos os rótulos que contêm ingredientes com nomes estranhos, sobretudo com a letra E atrás de um nome ou número, não compre. Tratam-se de aditivos prejudiciais à saúde. 
Faça escolhas saudáveis comprando alimentos naturais. Quando assim não for possível, verifique cuidadosamente o rótulo e não confie nas palavras gigantes na frente da embalagem. 


Artigos Relacionados:

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Escola da humanidade

O estado do mundo, de uma forma geral, não é positivo, e nisso todos concordamos. Mas todos nós contribuímos para que isso aconteça, porque os problemas começam nas nossas vidas, nas nossas escolhas, e começam naquilo em que nos focamos. 

Ao longo da nossa vida focamos a nossa atenção nos estudos, no emprego, dinheiro, casa, carro, mas é uma minoria que se dedica ao crescimento pessoal, ao crescimento espiritual que são a base para a ética, a moral, empatia, amor... Como sermos bem sucedidos sem estes valores?  

Vivemos num mundo desorientado, desorganizado, egoísta, vingativo, onde o sofrimento impera. Mas não tem de ser assim. 

Não existe crise financeira, nem problemas na vida das pessoas que não comece com uma crise ética e moral. 

Então que fazer para ultrapassar isso? Todos sabemos a resposta: deixar de fazer o mal e começar a fazer o bem. Como distinguir o bem do mal? A consciência dá-nos sempre a resposta, basta escutá-la. 

Esta reflexão é comum no meu dia a dia, mas hoje decidi escrever sobre o assunto devido às palavras de Henrique Pinto, da Associação Impossible, no programa Prós e Contras que dedicou o programa ao empobrecimento e solidão. Reconheço que não o conhecia, mas foi bom ouvi-lo. Fiquei admirada com a sua humanidade. Como tal, transcrevo algumas das suas palavras com as quais concordei absolutamente, onde ele destaca a falta de ética e moral como a base dos problemas da humanidade: 

Nós somos pobres, não porque não temos dinheiro ou porque o dinheiro não chega. Sendo a pobreza uma questão estrutural, nós temos de ir às estruturas e reflectir o que é que está na génese disto tudo.

Desde que o dinheiro é dinheiro, desde que ele se tornou um bem a adquirir, um fim em si mesmo, que nós começamos a ser governados por um paradigma que é, o paradigma da idolatria do dinheiro, ao qual tem correspondido uma perversão da ética e moral. 

Portanto, ao paradigma idolatria do dinheiro corresponde o abate do outro. O outro, ou trabalha para mim, ou me é subserviente, ou é meu aliado, ou então tenho que abatê-lo. 

Nós tornamos o dinheiro um bem a adquirir e a depositá-lo nos bancos. Eu acabaria com o sistema económico financeiro, com os Bancos, porque o dinheiro vive circulando. Há muitos poucos incentivos ao investimento, há muitos incentivos à poupança. O dinheiro não existe para ser poupado, o dinheiro existe para circular. É esse o destino do dinheiro e, não ser um bem, um fim em si mesmo, e ser simplesmente medida de troca. 

Estamos a perder o abraçar do paradigma da dignidade, da dignidade de todas as coisas: dos animais, das plantas, dos rios e dos mares. Todas essas tem dignidade. E a esse paradigma corresponderia, não a perversão da ética, mas corresponderia aquilo que eu chamo de ética da cooperação inclusiva. Nós então trabalharíamos e cooperaríamos uns com os outros. 

Temos de investir na educação e na família, e não um investimento financeiro, mas sim um investimento com conteúdos. Precisamos colocar no lixo o paradigma do dinheiro e agarrar o paradigma da dignidade. 

Ele referiu também que já não acredita na sua geração. 

Acreditamos em nós mesmos? Se sim, então podemos acreditar num mundo melhor, pelo menos com a nossa iniciativa. E você pode fazer a diferença em si mesmo, de si mesmo faz a diferença na sua família, os membros da sua família farão a diferença no núcleo de amigos, e os amigos farão a diferença no seu núcleo familiar. Todos somos influência uns dos outros, seja para o bem ou para o mal. Vamos ser uma boa influência e assim começar-se-á a reconstruir um mundo melhor. Força de vontade e escutar a consciência são os trabalhos de casa para começarmos o nosso percurso. Seja aluno da escola da humanidade e transforme-se no mestre da sua vida e dos que o rodeiam. 

Evite o mal, faça o bem, viva a vida extraordinariamente. (Lair Ribeiro)

Consciente ou inconscientemente somos todos Guru de alguém. Você dá conselhos e direcciona as pessoas. (Sri Sri Ravi Shankar)

Uma boa cabeça, um bom coração, formam um formidável combinação! (Nelson Mandela)


Artigos Relacionados: